Arrependimento (3): O que é necessário?

arrependimento-tomar-a-cruz

O que é necessário para mudar de atitude?

Toda a pregação de Jesus estava impregnada da mensagem do arrependimento. Jesus não pregava um evangelho “fofinho”, um evangelho de ofertas, mas pregava um evangelho contundente e extremamente exigente.

“Então, convocando a multidão e juntamente os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me. Quem quiser, pois, salvar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a vida por causa de mim e do evangelho salva-la-á. Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?” Mc 8.34-36 “Assim, pois, todo aquele que dentre vós não renuncia a tudo quanto tem não pode ser meu discípulo.” Lc 14.33

Toda a sua pregação visava levar o homem a um verdadeiro arrependimento, a uma revolução interior. Ele mostrou de que maneira prática o homem poderia experimentar esse arrependimento. O que é necessário para arrepender-se e tornar-se um discípulo de Jesus? Basicamente, quatro coisas: 1. Negar-se a Si mesmo (Mc 8.34). Não é negar apenas alguns pecados. É… 2. Tomar a cruz (Mc 8.34). Mas o que é tomar a cruz? É… 3. Perder a vida (Mc 8.35). Como ocorre isso? Devo morrer literalmente? Não. Trata-se de uma realidade espiritual, é o próprio arrependimento. Até hoje, a vida era minha, eu era meu dono. Mas agora eu perco minha vida porque a entrego para Deus. A partir de hoje Ele é o meu dono. Deus só pode governar a minha vida se eu a entrego voluntariamente e, para fazer isso, eu devo estar disposto a perdê-la. Mas arrependimento também envolve… 4. Renunciar a tudo que possui (Lc 14.33). Se eu próprio já não pertenço a mim mesmo, muito menos as coisas que eu possuía. Agora tudo pertence a Deus: família, emprego, casa, automóvel, salário, carreira, etc, tudo é de Deus. Agora temos mais uma pergunta a responder: É essa a mensagem que a igreja tem pregado? Lamentavelmente, não. A pregação da igreja tem sido muito mais um evangelho de ofertas do que um evangelho do reino. Mas alguém diria que não. Alguém diria que ultimamente Deus tem levantado a muitos na igreja, falando sobre o reino e proclamando que Jesus é o Senhor. Bem, isso é verdade, mas na essência a igreja não parece ter mudado muito a sua mensagem. Vamos analisar: Quando Jesus colocava as condições do reino, Ele sempre começava com “se alguém quer ser meu discípulo…”, e logo a seguir vinham as condições. Essas eram condições para ser um discípulo, para ser um convertido, um salvo. Eram condições para entrar no reino de Deus. Não era uma opção para ser mais consagrado, para crescer na fé ou para tornar-se pastor. O arrependimento, com tudo o que ele significa e produz, está na Porta de Entrada e não no caminho. Muitos estão pregando um evangelho “fofinho” (creia e mais nada) e depois querem estreitar o caminho. Porém, quem vai querer perder a vida depois, se na entrada já lhe prometeram salvação e vida eterna sem condição nenhuma? Essa pregação tem enchido a igreja de religiosos que não estão submissos à autoridade de Jesus. Devemos mudar esta situação, e o principal para isto é entender esta verdade:

Arrependimento: A submissão total à autoridade
de Jesus não é uma opção para o salvo,
mas uma condição para ser salvo.
(Texto retirado da Apostila Princípios Elementares – Edição 2013
– Igreja em Salvador – Site Fazendo Discípulos)

Leia mais em:

Arrependimento (4): Os três tipos de homem

A PORTA – Como se tornar um discípulo

Você pode gostar...