Compromisso para o casamento

compromisso-para-casamento

A amizade com compromisso

Essa é a fase do relacionamento entre um rapaz e uma moça que se escolheram para se casar. Na verdade, é o desenvolvi­mento da amizade que já existia entre eles e, agora, crescerá em direção ao casamento.

Esse relacionamento envolve dois princípios:
o compromisso e a santidade.

Esse relacionamento envolve dois princípios:

O compromisso

Estão comprometidos um com o outro para casamento. Não é um simples relacionamento, sem responsabilidade, para satisfação pessoal. (Mt 5.37).

Seja, porém, a tua palavra: Sim, sim; não, não. O que disto passar vem do maligno. Mt 5.37.

A santidade

Um relacionamento sem intimidades físicas até o casamento. (1Ts 4.3-8).

Pois esta é a vontade de Deus: a vossa santifi­cação, que vos abstenhais da prostituição; que cada um de vós saiba possuir o próprio corpo em santificação e honra, não com o desejo de lascívia, como os gentios que não conhecem a Deus; e que, nesta matéria, ninguém ofenda nem defraude a seu irmão; porque o Senhor, contra todas estas coisas, como antes vos avisamos e testificamos claramente, é o vinga­dor, porquanto Deus não nos chamou para a impureza, e sim para a santificação. Dessarte, quem rejeita estas coisas não rejeita o homem, e sim a Deus, que também vos dá o seu Espírito Santo. 1Ts 4.3-8.

Quem pode se comprometer?

Em primeiro lugar, um discípulo, para se comprometer, deve estar fundamentado e firme no Senhor. Não poderá ocor­rer nunca um compromisso entre um discípulo e alguém que não se converteu ao Senhor Jesus (2Co 6.14).

Em segundo lugar, ele deve considerar o parecer dos pais, pastores e discipulador, que devem avaliar sua condição para desenvolver um relacionamento de compromisso.

E em terceiro lugar, o rapaz deve estar com a vida profissio­nal encaminhada. Ou seja, já estar trabalhando, fazendo uma faculdade, curso profissionalizante ou aprendendo um ofício com clara perspectiva de um futuro que o deixe apto para suprir uma família (pessoas que estejam cursando o ensino médio ou cursinho não se enquadram).

Como é o relacionamento dos comprometidos?

Nessa fase do relacionamento, devem se conhecer ainda mais, crescendo na amizade e no serviço. Serão mais uma junta e ligamento, portanto deve haver entre os dois: oração, edifi­cação, alvos, etc. Devem fazer a obra e continuar cooperando com o propósito de Deus.

Uma vez comprometidos, discípulos continuam solteiros, portanto, não devem se isolar, pelo contrário, devem continuar relacionando-se com os demais irmãos, como antes.

É fundamental que haja muita conversa. É um tempo importante para exercitar o diálogo, falarem o que pensam, concordar e discordar. Deve haver exortação, admoestação e edificação, tudo com amor e respeito, para a glória de Deus. Conversem sobre seus planos, valores e ideais para o futuro juntos. Preparem-se para essa benção que se chama casamento. Mas cuidado para não centrarem exclusivamente as conversas no casamento, atrapalhando o conhecimento mútuo e o ser­viço a Deus.

Que tipo de relacionamento físico pode haver?

A intimidade física é reservada exclusivamente para o casa­mento. Antes disso, não deve haver mais do que expressões de carinho e afeto. Os comprometidos não podem ter mais intimi­dade física do que teriam com qualquer outro irmão.

O cuidado deve ser redobrado nessa fase. As demonstrações de carinho não podem despertar a sensualidade. É necessário honestidade e desejo de agradar a Deus. Os dois devem ajudar um ao outro, a fim de manterem um relacionamento santo e puro diante do Senhor. Se for necessário, um não deve ter receio de frear o outro. Nunca devem achar que são fortes e podem andar perto do limite. Isso é um engano, uma armadilha que não devem cair.

Deve haver temor e cuidado
para não defraudar um ao outro e
desejo sincero de agradar a Deus.

Os comprometidos podem expressar amor e afeto espe­ciais, por meio de presentes, cartas e declarações, sempre mantendo uma linguagem santa.

O principal é o desejo profundo de ser santo e o temor e cuidado para não defraudar um ao outro. A santidade agrada a Deus e alegra o Seu coração.

a. O que não podem fazer?
  • Beijarem-se na boca;
  • Ficar abraçados;
  • Trocar carícias;
  • Conversar coisas que excitem.
b. O que não devem fazer?
  • Ficar sozinhos.

Fugi da impureza. 1Co 6.18a.

c. O que podem fazer?
  • Tudo que fazem com os outros irmãos.

… às moças, como a irmãs, com toda a pureza. 1Tm 5.2b.

(Texto retirado da Apostila A Família – Edição 2013
– Igreja em Salvador – Site Fazendo Discípulos)

Leia mais em: Amizade entre os solteiros

Mais sobre família: Família – Propósito de Deus

Você pode gostar...