Indissolubilidade do casamento – 1ª Parte

casamento-1

Este tema já foi abordado no post: O Casamento (2). Porém, devido ao valor dele e também aos fortes ataques atuais ao vínculo matrimo­nial, julgamos importante aprofundar um pouco mais o assun­to, embora não tenhamos como esgotá-lo aqui.

Sabemos que é um assunto delicado, porque atinge a vida de muitos casais, alguns da igreja e outros de fora, alguns que estão juntos, com problemas, outros que estão separados e outros que já estão até recasados.

E é com profundo amor que expomos o que a bíblia ensina a respeito do casamento, sabendo que, ainda que alguém sofra por fazer a vontade de Deus, certamente estará sendo salvo, tomando o caminho de vida e será por Ele suprido e amado.

Vejamos alguns princípios que foram expostos antes.

O casamento foi instituído por Deus na criação

Porém, desde o princípio da criação, Deus os fez homem e mulher. Por isso, deixará o homem a seu pai e mãe e unir-se-á a sua mulher, e, com sua mulher, serão os dois uma só carne. De modo que já não são dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não separe o homem. Mc 10.6-9.

Jesus disse: “desde o princípio da criação, Deus os fez homem e mulher. Por isso, deixará o homem a seu pai e mãe e unir-se-á a sua mulher, e, com sua mulher, serão os dois uma só carne. De modo que já não são dois, mas uma só car­ne.” Logo no princípio, Deus estabeleceu o casamento. É uma lei criacional. Não foi estabelecido por uma lei humana, nem inventado por alguma civilização. É antes de qualquer cultura, tradição, povo ou nação. Ele existe antes mesmo da Lei de Moisés e antes do surgi­mento da Igreja.

O casamento não é uma sociedade entre duas partes, onde cada uma delas coloca as suas condições. Deus, que o criou, é quem estabelece essas condições; não o homem ou a mulher, nem os dois em comum acordo e nem as leis do país.

Deus criou o casamento. Portanto, Ele é o único que
pode estabelecer suas condições. Não o homem,
nem a mulher, nem as leis do país.

As leis e costumes sobre o casamento mudam de um país para o outro. E, den­tro do mesmo país, as leis mudam com o passar dos anos. Mas os princípios de Deus e a Sua vontade são imutáveis e eternos. A Casa de Deus não pode ser guiada pelos costumes sociais e leis humanas. As Escrituras dizem que ela é a Igreja do Deus vivo, coluna e baluarte (fortaleza totalmente segura) da verdade (1Tm 3.15).

Características do vínculo matrimonial

a. A união entre o homem e a mulher é realizada por Deus

De modo que já não são mais dois, mas uma só carne. Portanto o que Deus ajuntou não o separe o homem. Mc 10.8-9.

…O Senhor foi testemunha da aliança entre ti e a mulher da tua mocidade… Ml 2.14

A palavra de Jesus a respeito da união entre marido e mu­lher é: “Portanto, o que Deus ajuntou…” Não foi simplesmente o homem e a mulher que se uniram a si mesmos. Quando eles se unem no casamento, esse vínculo é realizado por Deus. Não é mais uma simples ligação terrena e humana.

Isso independe dos cônjuges conhecerem a Deus e terem consciência de que Deus os está unindo. Independe da fé ou da religião. Independe também do celebrante da cerimônia de casamento, se é um juiz, um pastor, um padre ou um chefe tribal. Deus é testemunha dessa aliança e os está unindo.

b. O Vínculo matrimonial é indissolúvel

De modo que já não são mais dois, mas uma só carne. Portanto o que Deus ajuntou não o separe o homem. Mc 10.8-9.

A mulher está ligada ao marido enquanto ele viver, contudo, se falecer o marido, fica livre para casar com quem quiser, mas somente no Senhor. 1 Co 7.39.

Novamente, ouçamos as palavras de Jesus a respeito deste assunto: “De modo que já não são mais dois, mas uma só carne. Portanto o que Deus ajuntou não o separe o homem”. E as palavras apostólicas: “A mulher está ligada ao marido enquanto ele viver”.

A única coisa que pode romper o vínculo
matrimonial é a morte de um dos cônjuges.

Jesus disse que marido e mulher, já não são dois, mas um. Não são dois juntos. Dois juntos podem ser separados. Um só, não. E depois Jesus acrescenta: “o que Deus ajuntou não separe o homem”. Que autoridade tem o homem para separar o que Deus uniu? O apóstolo Paulo ainda declara: “A mulher está ligada ao marido enquanto ele viver”. Qual a única coisa que pode romper esta ligação da mulher com o seu marido? A morte. Nem os problemas, nem divórcio, nem lei humana, nem tampouco a infidelidade, pois não está escrito que “está ligada ao marido enquanto ele for fiel”. Portanto, o vínculo matrimonial é indissolúvel durante a vida do casal. É impos­sível rompê-lo.

Segundo as Escrituras, para saber se um homem e uma mulher ainda são casados, apesar de não viverem juntos, devemos apenas perguntar: os dois estão vivos? Se estiverem vivos, são casados.

Elementos que constituem o casamento

Esse é também um aspecto importante. Para alguém ser casado, há dois elementos indispensáveis:

a. O pacto mútuo.

É a aliança que um homem e uma mulher fazem entre si, antes de se tomarem um ao outro como marido e mulher. Não se trata de qualquer acerto para se juntarem, trata-se de um pacto voluntário e específico de casamento.

Esse pacto deve ser verbalizado por meio de votos no mo­mento em que se casam. Não adianta um dizer que, no cora­ção, se considera casado com o outro. Isso tornaria o pacto do casamento duvidoso e subjetivo. A verbalização é necessária. Um voto tem data, local e é expresso verbalmente.

Embora não seja exigida uma cerimônia pública, bibli­camente, esse pacto não era algo secreto e restrito ao casal. Envolvia, no mínimo, os pais dos noivos (Gn 24.2-4,50-51; 1Co 7.36-38).

Nos dias de hoje, há muitos casais juntos, sem se casarem. Às vezes, já têm filhos, mas isso não é casamento. Juntaram-se circunstancialmente e permanecem juntos até hoje. Não há o pacto de casamento.

Em cada sociedade, sempre houve formas pelas quais esse compro­misso era expressamente assumido. Na nossa, o voto do casamento está estabelecido pela lei civil e deve ser verbalizado publicamente e escritu­rado pelas autoridades do país. Todo discípulo de Cristo deve casar-se civilmente, ainda que, bibli­camente, essa não seja uma condição para haver casamento.

b. A união física.

Esse é o ato sexual. É o que consuma o casamento. Sem a união sexual, ele não se completa.

Os 2 elementos indispensáveis que constituem um
casamento são: o pacto mútuo e a união física.

 

Separação, divórcio e recasamento

Nos textos anteriores vimos que, diante de Deus, o vínculo entre marido e mulher é indissolúvel – não pode ser rompido, enquanto ambos viverem. Como consequência disso, veremos o que as Escrituras dizem sobre separação, divórcio e recasa­mento.

a. Separação

Ora, aos casados, ordeno, não eu, mas o Senhor, que a mulher não se separe do marido. Se, porém, ela vier a separar-se, que não se case, ou que se reconcilie com seu marido; e que o marido não se aparte de sua mulher 1Co 7.10-11.

  • Deus diz não para a separação. Nem a mulher deve separar-se do marido, nem o marido deve apartar-se da mulher.
  • Se, por acaso, o cônjuge incrédulo se separar (1Co • 7.12-15), a opção do cônjuge crente é ficar só ou se reconciliar.
b. Divórcio

Porque o Senhor foi testemunha da aliança entre ti e a mulher da tua mocidade, com a qual tu foste desleal, sendo ela a tua companheira e a mulher da tua aliança (…). Portanto cuidai de vos mesmos, e ninguém seja infiel para com a mulher da sua mocidade. Porque o Senhor, Deus de Israel, diz que odeia o repúdio (…) Ml 2.14-16a.

O texto afirma que:

  • Deus é testemunha da aliança do casamento.
  • Ele requer fidelidade conjugal.
  • Deus odeia o divórcio. Um casamento desfeito é algo • odioso para Deus.
Deus exige lealdade ao pacto matrimonial,
pois Ele odeia o divórcio.
c. Recasamento

Quem repudiar sua mulher e casar com outra, comete adultério contra aquela. E se ela repudiar seu marido e casar com outro, comete adultério. Mc 10.11-12.

De sorte que será considerada adúltera se, vivendo ainda o marido, unir-se com outro homem; porém, se morrer o marido, estará livre da lei, e não será adúltera se contrair novas núpcias. Rm 7.3.

Quem repudiar sua mulher e casar com outra, comete adultério; e aquele que casa com a mulher repudiada pelo marido, também comete adultério. Lc 16.18.

Nesses textos, mais uma vez, Deus diz não à separação e ao divórcio. Mas, isso pode acontecer à revelia de um dos cônju­ges. Se isso acontecer, a palavra do Senhor diz que:

  • Se alguém se divorcia, Deus não permite um novo ca­samento. Isso porque, embora estejam separados judi­cialmente, diante Dele, eles continuam sendo marido e mulher.
  • Quando alguém se divorcia e se casa de novo, Deus não considera isso casamento, mas sim adultério.
  • Tanto o cônjuge que repudia, como aquele que é abando­nado, não pode casar-se de novo. Se o fizerem, estarão cometendo adultério.
Se alguém se divorcia e casa de novo
comete adultério.

Compreendemos que há situações difíceis de ajustar. Nosso coração se enternece com elas. Porém, cremos que a obediên­cia à vontade de Deus é o único e melhor caminho. O Senhor, com Seu amor e poder, há de suprir e capacitar a cada um que o busca para fazer a Sua vontade.

No post:  Indissolubilidade do casamento – 2ª Parte , trataremos sobre perguntas e dúvidas que podem surgir dentro desse assunto.

 

Você pode gostar...