O andar no Espírito: ser cheio de Cristo (14)

 

Cristo é suprema fonte de poder

A vida de Cristo em nós é um segredo que o diabo quer esconder da Igreja, porque ele sabe que esta é uma fonte de poder tremenda para nós.

A Palavra não diz que Deus manifestou o máximo poder dele quando criou a terra, os céus, e todo o resto da criação. Diz que a “suprema grandeza do seu poder” é para conosco, os que cremos (Ef 1.19). A suprema grandeza do seu poder está para nos dar a vitória sobre os pecados. A suprema grandeza do seu poder está para nos fortalecer e animar, para nos assistir em nossa fraqueza. A suprema grandeza do seu poder é Cristo em nós. Aleluia!

“Cristo em vós, a esperança da glória”. Cl 1.27.

Esta realidade é acessível a todos. Não é para muito ma­duros e antigos. É para todos. Não é um estágio de grande avanço espiritual. É o início da carreira cristã. Cristo é força e poder ilimitado em nós.

Cristo vive em nós na pessoa do Espírito San­to

Alguém pode perguntar: “Como Jesus ressuscitado vive em mim?” A resposta é simples. Ele vive na pessoa do Espírito Santo. Eles são um. O Pai, o Filho e o Espírito Santo são um só. Jesus foi para o Pai e enviou o Consolador, e disse que Ele estaria no Pai, e nós estaríamos nEle, e Ele estaria em nós (Jo 14.16-20). Que promessa de intimidade conosco Ele nos fez!

Então, podemos entender o que é andar no Espírito.

Andar no Espírito é a forma de andar
na qual Cristo faz tudo em nós,
por meio do Espírito Santo.

Andar no Espírito é a forma de andar na qual Cristo faz tudo em nós, por meio do Espírito Santo. Já não somos nós que fazemos tudo, é Cristo em nós. Ele anda por nós, Ele fala por nós, Ele age por nós. Enfim, Ele é nossa vida.

Duas formas de andar

“… a fim de que o preceito da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito.” (Rm 8:4)

“Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfareis à concu­piscência da carne. Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são opostos entre si; para que não façais o que, porventura, seja do vosso querer.” (Gl 5.16-17)

Em Rm 8.4-11 e Gl 5.16-25, o apóstolo Paulo fala das duas formas de andar: ou andar segundo a carne ou andar se­gundo o Espírito.

Como já vimos, o pecado ainda habita em nosso corpo mortal. Então temos em nós uma natureza espiritual, segundo o Espírito de Deus, e temos em nós também uma natureza car­nal, influenciada pelo pecado. E podemos andar de acordo com uma ou com outra. O Novo Homem, em seu dia a dia, decide se anda segundo a carne ou segundo o Espírito.

O texto de Gl 5.17, declara que há uma luta dentro de nós: “a carne milita contra o Espírito, e o Espírito contra a carne, porque são opostos entre si”. Em nosso novo coração, temos intenso desejo de ser santos e fazer a vontade de Deus. Entretanto, descobrimos diariamente que nossa carne não de­seja que seja assim. Então enfrentamos esta luta dia após dia.

O que fazer então? Mais uma vez precisamos recorrer à fé e encontraremos o socorro de Deus. Antes éramos escravos do pecado e só podíamos andar segundo a carne. A carne era nossa única opção. Hoje, necessitamos crer que o Espírito San­to que está em nós é poderoso e vitorioso. Andemos no Espírito e não satisfaremos as paixões e desejos da carne.

O fruto do Espírito

“Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei.” (Gl 5.22-23)

O texto acima descreve nove características que são o fruto do Espírito – amor, alegria, paz, longanimidade (paciência), benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Estas características são uma realidade natural na vida daquele que está andando no Espírito.

É possível amar sempre? Estar alegre no meio das dificuldades? Ter paz no meio de uma briga? Ser manso quando injustiçado e humilhado? Para o homem é impossível, mas para Cristo isto é natural. Ele viveu tudo isto como homem, e agora quer viver exatamente isto em nós. Este é o fruto que se manifesta em nós quando estamos andando no Espírito.

A presença destas nove características indica que alguém está andando no Espírito. Se, durante o dia, o discípulo percebe que lhe falta paz ou alegria, isto é indicativo da perda do fruto do Espírito. Em algum momento atrás ele deixou de andar no Espírito, e passou a andar na carne.

As nove características são, para o discípulo, como nove “relógios” em um painel de um carro. Os “relógios” do carro indicam o bom funcionamento das diversas partes do carro. Se algo não vai bem, algum dos “relógios” logo aponta o proble­ma. Assim também nós, se perdermos alguma das nove características acima, isto é sinal de que algo não vai bem. Devemos parar, orar e ver aonde caímos, em que momento deixamos de andar no Espírito. Ao encontrar aonde erramos, devemos ime­diatamente confessar nosso pecado e restabelecer nossa plena comunhão com Deus e voltar a andar no Espírito.

Que perfeita salvação! Deus proveu todos os recursos para que a plenitude da vida de Cristo se manifestasse em nós.

Você pode ler mais sobre a realidade de nossa Vida em Cristo em:

(Texto retirado da Apostila A Vida em Cristo – Edição 2004
– Igreja em Salvador – Site Fazendo Discípulos)

 

 

Você pode gostar...